Newsletter

Atraso em projetos de recebíveis de cartões?

Os cinco pontos de atenção que você precisa conhecer para evitar os principais obstáculos desses projetos.

Tendência no mercado financeiro do Brasil, os projetos de soluções de pagamento e antecipação de agenda de Cartões de Crédito para lojistas têm sido cada vez mais frequentes. O número de participantes do Sistema de Controle de Garantias tem aumentado devido ao crescente interesse das Instituições Financeiras por esse segmento de negócio. Em meio a esse cenário, os cronogramas de implantação dos novos participantes têm sempre prazos mais apertados e desafiadores, mas alguns pontos são cruciais para a fluidez das atividades e cumprimentos das datas esperadas. Por isso, seguem algumas dicas preciosas para ajudar a driblar os principais obstáculos encontrados nesses projetos:

ANTECIPAR CONTRATO COM A CENTRALIZADORA

A centralizadora de dados é o principal parceiro para o funcionamento do projeto e deve ser a primeira a ser contatada para tratativas contratuais. Além de assinar o contrato de participação no SCG, a Instituição Financeira deverá indicar a matriz de funcionalidades com a qual pretende atuar, bem como precisará combinar a janela de homologação. Após completar o ciclo homologatório, baseado na matriz informada, o participante é chancelado e ativado, ganhando acesso ao ambiente de produção. Tudo isso é mandatório para conclusão do projeto e havendo atraso em qualquer uma destas etapas, haverá inevitável impacto no restante das atividades.

ANTECIPAR CONTRATO COM CREDENCIADORAS

Responsável pelo fornecimento de informações que dão origem às operações, as credenciadoras (ou adquirentes) devem ser procuradas pelas Instituições Financeiras em paralelo à centralizadora. Com essas empresas, também é necessário assinar um contrato e combinar a janela de homologação, que deve coincidir com a janela designada pela centralizadora para permitir a homologação integrada. Normalmente, as credenciadoras têm uma grande demanda de mercado e até mesmo fila de atendimento para ciclos de homologação, podendo representar risco de prazo para os projetos caso não tenham disponibilidade imediata de janela de trabalho. A dica é contatar essas empresas o mais breve possível, até mesmo antes do início do projeto, para se antecipar no agendamento das atividades conjuntas. Vale também tentar o agendamento com mais de uma credenciadora, de forma a ter contingência em caso de atraso de uma delas.

DEFINIR TIPO DE FLUXO (BILATERAL X CENTRALIZADO)

Embora o SCG tenha instituído a centralização de informações de agenda e pagamentos, ainda é possível realizar fluxos bilaterais junto às adquirentes, ou seja, receber e enviar os arquivos diretamente com essas empresas sem a intermediação com a centralizadora, e em arquivos cujo layout é definido pelas próprias adquirentes. Por vezes, a IF é surpreendida durante o projeto por contratar uma adquirente sem saber que ela não está preparada para o fluxo centralizado, por exemplo, e ter que iniciar o fluxo bilateral inesperadamente. Dessa forma, a recomendação é para que a Instituição Financeira defina sua estratégica tecnológica, e já na contratação das credenciadoras deixe claro essa estratégia e seus requisitos de negócio. Certamente isso evitará problemas durante o fluxo homologatório.

ADQUIRIR CERTIFICADO DIGITAL

O tráfego de informações junto à centralizadora é mandatoriamente criptografado e assinado digitalmente. Por isso, é importante ter à disposição um certificado digital, conforme especificado pela centralizadora e dentro de seu prazo de validade. A aquisição de um novo certificado costuma levar até 60 dias e os trâmites são por vezes burocráticos. Tão logo a Instituição Financeira decida por implantar um projeto de cartões, deve procurar uma EC (Entidade Certificadora) para iniciar o processo de aquisição.

CHECAR LICENÇAS MQ E CONNECT: DIRECT PARA TRÁFEGO EM FILAS MES

Assim como a certificação digital, a centralizadora exige que o tráfego de mensagens e arquivos do catálogo seja realizado através de softwares homologados e autorizados. Grande parte das Instituições Financeiras já têm esses softwares contratados, mas é importante verificar se a licença atual prevê disponibilidade para mais um domínio. Importante checar também se os pré-requisitos de infraestrutura (que podem ser obtidos junto à centralizadora após assinatura do contrato de participação) estão atendidos ou se há necessidade de contratação de algum recurso.

Observe que são cuidados simples, mas que farão toda diferença na execução do projeto. Fique atento a esses pontos e bom trabalho!

Quer saber como a Senior Solution pode ajudar a sua instituição com o Projeto Recebíveis de Cartões? Envie um e-mail para comercial@seniorsolution.com.br.

Por Carlos André Ribeiro, Gerente de Operações.